jump to navigation

O Boom do Brasil – Capa do ‘The Economist’ 23/11/2009

Posted by Jacqueline Maia in Notícias.
add a comment

Nov 12th 2009
From The Economist print edition – Titulo Original: Brazil Takes Off

Brazil used to be all promise. Now it is beginning to deliver, says John Prideaux

capa da revista (2) BRAZIL has long been known as a place of vast potential. It has the world’s largest freshwater supplies, the largest tropical forests, land so fertile that in some places farmers manage three harvests a year, and huge mineral and hydrocarbon wealth. Foreign investors have staked fortunes on the idea that Brazil is indeed the country of the future. And foreign investors have lost fortunes; most spectacularly, Henry Ford, who made a huge investment in a rubber plantation in the Amazon which he intended to tap for car tyres. Fordlândia, a long-forgotten municipality in the state of Pará, with its faded clapboard houses now slowly being swallowed up by jungle, is perhaps Brazil’s most poignant monument to that repeated triumph of experience over hope.

Foreigners have short memories, but Brazilians have learned to temper their optimism with caution—even now, when the country is enjoying probably its best moment since a group of Portuguese sailors (looking for India) washed up on its shores in 1500. Brazil has been democratic before, it has had economic growth before and it has had low inflation before. But it has never before sustained all three at the same time. If current trends hold (which is a big if), Brazil, with a population of 192m and growing fast, could be one of the world’s five biggest economies by the middle of this century, along with China, America, India and Japan.

Despite the financial crisis that has shaken the world, a lot of good things seem to be happening in Brazil right now. It is already self-sufficient in oil, and large new offshore discoveries in 2007 are likely to make it a big oil exporter by the end of the next decade. All three main rating agencies classify Brazil’s government paper as investment grade. The government has announced that it will lend money to the IMF, an institution that only a decade ago attached stringent conditions to the money it was lending to Brazil. As the whole world seemed to be heading into a long winter last year, foreign direct investment (FDI) in Brazil was 30% up on the year before—even as FDI inflows into the rest of the world fell by 14%.

Much of the country’s current success was due to the good sense of its recent governments, in particular those of Fernando Henrique Cardoso from 1995 to 2003, which created a stable, predictable macroeconomic environment in which businesses could flourish (though even now the government continues to get in the way of companies trying to earn profits and create jobs). How did this remarkable transformation come about? And how can Brazilian and foreign firms, from lipstick-makers to investment banks, take advantage of the country’s new stability?

To see why Brazil currently seems so exciting to both Brazilians and foreigners, it helps to understand just how deep it had sunk by the early 1990s. Past disappointments also explain three things about Brazil which outsiders sometimes find hard to fathom: its suspicion of free markets; its faith in the wisdom of government intervention in business and finance; and persistently high interest rates.

When Brazil became independent from Portugal in 1825, British merchants, delighted to discover a big new market, flooded Brazil with manufactures, including, according to one possibly apocryphal story, ice-skates—an early example of emerging-market fever. Even so, real income per person remained stagnant throughout the 19th century, perhaps because an inadequate education system and an economy dependent on slaves producing commodities for export combined to get in the way of development. Ever since the Brazilians have tended to view free trade with suspicion, despite their country’s recent success as an exporter.

In the mid-20th century Brazil seemed to have found a formula for stimulating growth and enjoyed what appeared to be an economic miracle. At one point its economy grew faster than that of any other big country bar Japan and South Korea. That growth relied on a state-led development model, financed with foreign debt within a semi-closed economy. But growth also brought inflation, which crippled Brazil until the mid-1990s and still accounts for some odd characteristics, such as the country’s painfully high interest rates and its disinclination to save. All the same, the “miracle” wrought by the military government persuaded Brazilians that the state knew best, at least in the economic sphere, and even the subsequent mess did not quite persuade them otherwise.

Unhappy memories

When this development model broke down amid the oil shocks of the 1970s, Brazil was left without the growth but with horrendous inflation and lots of foreign debt. There followed two volatile decades, when Brazil started being likened to Nigeria instead of South Korea. Productivity growth went into reverse. Many of the country’s current problems, including crime and poor education and health care, either date from that period or were exacerbated by it. Between 1990 and 1995 inflation averaged 764% a year.

Then a real miracle happened. In 1994 a team of economists under Mr Cardoso, then the finance minister, introduced a new currency, the real, which succeeded where previous attempts had failed. Within a year the Real Plan had managed to curb price rises. In 1999 the exchange-rate peg was abandoned and the currency allowed to float, and the central bank was told to target inflation. The ten-year anniversary of this event has just passed, and although there is continuing debate about how to make the real less volatile, none of the big political parties advocates going back to a managed rate.

More than that, the reforms brought discipline to the government’s finances. Both federal and state governments now have to live within their means. A requirement to run a primary surplus (before interest payments on the public debt) was introduced in 1999, and the federal government has hit the target for it every year since, though there is a good chance that it will miss it this year. This has allowed Brazil to get rid of most of the dollar-denominated foreign debt that caused such instability every time the economy wobbled. Now international creditors trust the government to honour its commitments. Moody’s, a rating agency, elevated Brazil’s government paper in September to investment grade just as the governments of many richer countries fretted about being able to meet their obligations.

Yet growth still proved elusive. It took a buoyant world economy and a surge in commodity prices to procure it. Although Brazil’s economy is still relatively closed (trade accounted for a modest 24% of GDP in 2008, less than 60 years earlier), its growth is closely correlated with commodity prices, the Chinese economy, the Baltic Dry index and other measures of global trade. But at last in 2006 GDP outpaced inflation for the first time in over 50 years.

Lucky Lula’s legacy

Brazil’s current president, Luiz Inácio Lula da Silva, has been able to take much of the credit for the country’s recent growth that perhaps properly belongs to his predecessor. Yet Lula’s achievement has been to keep the reforms he was bequeathed and add a few of his own—not a meagre accomplishment given that for the past seven years his own party has been trying to drag him to the left.

Lula is often mocked for beginning his sentences with the phrase, “never before in the history of this country”. What his political opponents find even more infuriating is that he is often right. Brazil was able to cut interest rates and inject money into the economy as the world economy faltered at the end of last year, the first time it has been able to do this in a crisis. Whereas others predicted that world events would tip Brazil into recession, Lula reckoned that the crisis would amount to nothing more than a small tide breaking on his country’s beaches. The economy shrank for only two quarters and is now growing again. The contrast with Brazil’s performance in previous crises could not be more stark (see article).

Plenty of problems remain. The central bank’s headline interest rate is 8.75%, one of the highest real rates anywhere in the world. If the government wants a long-term loan in its own currency it still has to link its bonds to inflation, making debt expensive to service.

Productivity growth is sluggish. That may not seem the end of the world, but it reflects realities such as the two-hour bus journey into work endured by people living on the periphery of São Paulo, the country’s largest city, during which they often risk assault before arriving too tired to be very useful. The government invests too little and has longstanding gaps in policing and education to fill. The legal system is dysfunctional. And so on.grafico (2)

Yet other countries face similar problems, and Brazil has made real progress. In a country where businesses became used to headline interest rates of 30% or more, a rate below 9% comes as a relief. “It’s like the difference between running a marathon with 50 kilos on your shoulders and 20 kilos,” says Luis Stuhlberger of Credit Suisse Hedging-Griffo, one of Brazil’s most successful fund managers. Mr Stuhlberger thinks that Brazil’s recent past was so awful, and its expansion of education and credit is so young, that the country can reasonably be expected to continue on its current trajectory, even without further big reforms. Even so, he argues, “we are not going to have a Harvard or a Google here.” The blame for that, he says, lies largely with government policies.

Brazil’s economic story could certainly be made more exciting with some reforms to its business environment. The country’s potential growth without a risk of overheating can only be guessed at, but it is probably below the 6.8% it reached in the third quarter of 2008. Most economists put it at 4-5%. This suggests that interest rates will not be coming down to levels considered normal in other countries soon.

Still, stability has its own rewards. Edmar Bacha, one of the economists who worked on the introduction of the real in 1994, is pleased that the debates about Brazil’s economy have become so narrow. Back in 1993, when he joined the ministry of finance, inflation at one point hit 2,489%. Nowadays, he notes with a wry smile, “the big debates are about whether interest rates could come down from 8.75% to 8.25%; or whether the central bank should have started cutting a month earlier than it did.” That change has been good for Brazil, and particularly good for its banks and its financial system.

Recorde de contratações desde 1992 17/11/2009

Posted by Jacqueline Maia in Notícias.
add a comment

Por Arnaldo Galvão, de Brasília – 17/11/2009

Valor Econômico (SP)

O governo registrou a criação de 230,9 mil empregos formais em outubro. É o melhor resultado para meses de outubro na série histórica iniciada em 1992 e levou o saldo positivo do ano para 1,163 milhão de postos de trabalho no acumulado de 2009. A indústria, pelo segundo mês seguido, foi o setor que mais gerou empregos em outubro, com saldo de 74,5 mil vagas entre contratações e demissões. No mês passado, os melhores desempenhos na indústria foram nos segmentos de alimentos (17.838), têxtil (9.805), metalurgia (9.471), química (7.852), madeira e móveis (5.045), calçados (5.020), material de transporte (4.631) e minerais não metálicos (3.623). O país encerrou os últimos 12 meses (todo o período da crise), com saldo positivo de 467,8 mil vagas formais abertas, movimento puxado por serviços (403 mil empregos novos) e marcado pela perda na indústria (216 mil vagas ainda fechadas).

Para o ministro do Trabalho, Carlos Lupi, os empresários da indústria foram “precipitados” ao demitir milhares de trabalhadores na crise, e agora estão sendo obrigados a compensar esse erro. Ele prevê que, neste ano, o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) terá saldo positivo entre 1 milhão e 1,1 milhão de vagas. Para 2010, ele aposta que será batido o recorde com a geração de dois milhões de empregos contratados no regime da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

O saldo do Caged, neste ano, ainda depende dos resultados de novembro e dezembro. Segundo Lupi, novembro será atípico, com a geração de aproximadamente 150 mil vagas. Para dezembro, a aposta dele é de perda líquida de 200 mil postos de trabalho, considerado um bom resultado se for comparado à média tradicional de perda de 300 mil vagas.

Além dos números de contratações e desligamentos, o Ministério do Trabalho informou que os ganhos salariais dos trabalhadores admitidos ficaram, neste ano, 4,4 pontos percentuais acima da variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). De acordo com o Caged, o salário médio de admissão, em outubro, foi de R$ 769,62, o que representa aumento real de 0,97% sobre o de setembro. “Foi o poder aquisitivo do trabalhador que manteve o consumo interno na recuperação da crise. Em 2010, teremos o melhor ano do Caged, com a criação de dois milhões de empregos”, disse.

O Estado que teve a melhor média salarial de outubro para trabalhadores admitidos foi São Paulo, com R$ 901,78. Em segundo lugar vieram Rio de Janeiro, com R$ 841,39, e Distrito Federal, com R$ 807,58. O pior salário de admissão foi verificado no Estado de Alagoas, com R$ 575,14.

Na classificação dos subsetores de atividade, o maior salário de admissão, em outubro, foi o de R$ 1.836,54 nas instituições financeiras. O menor foi registrado nas indústrias de calçados, com R$ 598,73. Outubro não teve a maior geração líquida de empregos porque as melhores marcas foram de setembro (252,6 mil) e agosto (242,1 mil), mas ficou com o menor número de demitidos em 2009. No mês passado, 1,202 milhão de pessoas perderam seus empregos. O pior período, sob a ótica das dispensas, foi março, com 1,384 milhão de demissões registradas no Caged.

No lado das contratações, outubro ficou em terceiro lugar neste ano, com 1,433 milhão de pessoas contratadas. O melhor desempenho foi em setembro, com 1,491 milhão de admitidos. De janeiro a outubro, o setor de serviços foi o que mais criou empregos (481 mil), segundo os registros do Caged. Em seguida, vêm construção civil (210,3 mil), comércio (169, mil), indústria (137,3 mil) e agricultura (118,4 mil).

Considerando o que ocorreu em outubro nas nove maiores regiões metropolitanas, o Caged mostrou que essas áreas agregaram 103,3 mil postos de trabalho no período. No interior dos correspondentes Estados, houve criação de 67.194 vagas. Segundo o Ministério do Trabalho, isso ocorreu por força da sazonalidade da agricultura, que, nessa época, tem impacto negativo. As nove regiões metropolitanas estão nos Estados da Bahia, Ceará, Minas Gerais, Pará, Pernambuco, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo.

Sobre o Serviço de Career Coach Clinic 01/11/2009

Posted by Pedro Carvalho in Serviços.
4 comments

Imagem Career Coach Clinic

O Centro de Carreira é uma unidade criada por profissionais seniores que integram seus interesses, valores e experiências para transformar o sucesso da carreira de executivos.

O Career Coach Clinic é um serviço gratuito, de uma a duas sessões, compondo um total de até 90 minutos, oferecido a um seleto grupo de profissionais, previamente triados e avaliados pelos organizadores deste projeto.

Nossa Missão é ajudar profissionais em sua transição de carreira com inspiração, direcionamento e ferramentas para desenvolver estratégias que possibilitam dar visibilidade ao marketing pessoal de uma maneira atrativa e eficaz. Nossa proposta é colocar a disposição a estes executivos nosso entusiasmo com oportunidades no mercado Brasileiro, envolve-los com atitude positiva,  tecnologia, e apresentar uma forma prática de encurtar o período de transição de carreira.

Qual o Objetivo este serviço?

Você gostaria de apoio e direcionamento de profissionais experientes em Recrutamento & Seleção de Executivos que já auxiliaram centenas de profissionais em suas carreiras?

Através de uma a duas conversas com profissionais internacionais, nós iremos proporcionar foco, claridade, perspectiva e recomendar metas alinhadas com seus valores, experiências e desafios.

Este projeto é desenhado para auxiliar individuais para articular, apresentar e elaborar marketing de seu “valor” à potenciais Decisores (Contratantes de Organizações).

Os participantes se beneficiam deste trabalho se:

  • Estão preparados para investir intensamente na procura por novas oportunidades no Brasil;
  • Não estão familiarizados com o mercado de trabalho atual;
  • Não está convencido de como começar ou conduzir sua procura por novo emprego;
  • Gostaria de uma opinião profissional de seu Currículo;
  • Está frustrado com o progresso que teve até o momento;
  • Está tendo múltiplas entrevistas, mas nenhuma oferta;
  • Passou 40 anos, alto salário, isto é problema?

Você provavelmente já ouviu dizer que 80% dos empregos são efetuados via Networking. O problema é que algumas pessoas acham que isto é intimidativo e exaustivo. Outras assumem não ter construído um número e qualidade de relacionamentos suficiente para a transição além de já terem abordado e feito tudo que poderiam nas poucas pessoas que entendem que deveriam ser abordadas. Em alguns outros casos profissionais investem intensamente em Happy Hours, cafés e não conseguem contabilizar resultados.  Como cultivar e criar relacionamentos que não requeira usar pessoas? Ou que não se conflitem com meu estilo e personalidade de comunicação?  Há muitos mitos e incompreensões de como fazer isto corretamente.  Nestas conversas nós compartilharemos com você maneiras criativas e funcionais para você ampliar e obter frutos práticos.

O que será fornecido nesta Etapa? Como funciona?

Avaliação, direcionamento e um plano de ação prático de procura para empregos para Executivos

Uma a duas conversas com profissionais seniores de recolocação. São experientes da área de Recrutamento e Seleção, estão em contato com líderes de mercado através de networking pessoal, lideranças de Associações, Grupos e entidades de classe, que podem prover e compartilhar orientações práticas com profissionais que se interessam em investir pessoalmente em intensa campanha de transição de carreira.

Estes são os tópicos abordados nestas 2 conversas:

  1. Você sabe o que fazer agora?

Se você não definiu ou não compreende o valor de focar em uma função, responsabilidade ou indústria, esta orientação poderá ser útil:

  • Avaliação, Análise;
  • Conhecimento de Mercado;
  • Ferramentas e Bibliografia para direcionar ou mudar sua carreira
  1. Suas ferramentas de Marketing estão te Vendendo?

Se você não têm certeza se você está se utilizando corretamente de ferramentas como Currículo, Campanha de Cartas, Plano de Networking, Habilidades de Negociação ou Entrevistas, abordaremos tópicos como:

  • Avaliação de Currículo;
  • Networking;
  • Entrevistas;
  • Salário
  • Você está pronto para fazer Marketing ativamente de sua carreira?

Se você já sabe que posição você está almejando, e suas ferramentas escritas estão prontas, você achará útil:

  • Ferramentas gratuitas que colocamos à disposição tais como: Job Postings e Banco de Dados;
  • Networking: Formas de expansão, Fóruns e Habilidades de aproximação

Pode ser feito via telefone, webex, skype, msn?

Não

Nós temos ponderados sobre alguma forma de te auxiliar profissionais assim.  Tentamos auxiliar vários colegas que moram longe, especialmente no exterior. Temos muitos assim. Porém cheguemos à conclusão que o melhor auxílio que conseguimos proporcionar é quando temos o prazer de conhecer o profissional pessoalmente. Especialmente quando a vinda a São Paulo é em caráter definitivo.

E se você vive nas proximidades, e considera que está com tempo escasso para um contato pessoal conosco. Então estes serviços e orientações não são para seu momento profissional. Você precisa de outro tipo de ajuda.

Como obter este serviço? Quais seriam os próximos passos?

Triagem e Agenda

  1. Envie seu CV para a Jacqueline Maia, consultora de carreiras, no e-mail: Jacqueline@exgv.org.br. Fone: (11) 3253-9600
  2. Na seqüência os membros do projeto farão uma avaliação se seu perfil se enquadra para este Coach, baseado em:
  • Background Acadêmico;
  • Experiência Profissional;
  • Senioridade;
  • Relacionamento com uma das entidades parceiras:
  • Ex-Alunos da FGV;
  • Ex-Alunos do IE (Instituto empresas de Madrid)
  • Ex-Alunos da Thunderbird (MBA – Arizona, EUA)
  • Membros do MBAAB
  • País ou Cidade em que Reside

3. Verificaremos uma melhor agenda para você e os Consultores deste Projeto.

Após os encontros o profissional poderá optar por se utilizar ferramentas que estamos disponibilizando aos ex-alunos, sem custo, e/ou um Programa de Executive Coach, que requer investimento bem acessível.  Para mais informações sobre esta continuidade, clique aqui.

Sem custo? Porquê?

“Your Money and Your Peace of Mind”

Esta é uma boa pergunta. E toda boa pergunta merece uma boa resposta.

Os elaboradores deste projeto são sócios da in-sight®, e é resultante de 18 anos de muito trabalho duro, e é diferente de tudo que existe por aí, continuamos nos modernizando, pesquisando, aprimorando e ainda continua dando muito resultado! Nos primórdios desta atividade Edilson Ramos – Sócio Fundador auxiliou muitos executivos. Enquanto isto Pedro Carvalho – Sócio, voluntariou auxiliando muitos executivos, colegas de profissão, em suas transições de carreira. Juntos Edilson e Pedro criaram este projeto de Aconselhamento Profissional transicionaram uma enorme quantia de executivos, aumentaram suas chances de empregabilidade, visibilidade, salário, responsabilidade, desafio e conseqüentemente qualidade de vida.  Expandimos nossos serviços, nossas parcerias e nossa equipe (e continua crescendo!). Agora te pergunto: se você tivesse dedicado vários anos, sacrifício e vida em algo que você gosta muito, você faria disto um segredo?

Não estamos nesta atividade para um “ganhos rápidos”. A razão que esta atividade de Coach existe e “para ajudar Executivos fazerem suas decisões, alavancarem suas carreiras e alcançar um maior sucesso onde trabalham”. Nós oferecemos, neste projeto de “Career Coach Clinic” um serviço de excelência, gratuito, porquê nós queremos ajudá-lo a crescer. E, conforme suas necessidades crescem, nós temos a expectativa que você necessitará um upgrade. Nós não impomos upgrade para você. Você pode se utilizar destes conhecimentos e ferramentas que colocamos à sua disposição de forma gratuita por quanto tempo for necessário. O único detalhe é, se você gostar de nosso trabalho, e encontrar seus colegas que necessitam um apoio similar, fale de nosso projeto.

Mas vocês não vão me empurrar uma venda?

Não, não, não… NÃO!.  Nós não empurramos venda de serviços, nós não cobramos nenhum teste, nós vamos pedir para você sair daqui com nenhum tipo de contrato assinado. Este não é nosso estilo. Nós acreditamos que VOCÊ, profissional, é que têm completo controle de como e quando você quer controlar sua carreira.

Vocês ganham dinheiro, ou vocês fazem isto por caridade?

Não, não, não… NÃO!.  Nós ganhamos dinheiro. A realidade é que, através de vocês temos criado um relacionamento de qualidade, que mantemos na maioria dos casos, e com freqüência somos referenciados para fazer um projeto de Executive Coach, completo, onde acompanhamos os profissionais muito de perto. Como verdadeiros técnicos, ou Personal Traniner.

E depois?

Este programa se iniciou em 2008 na Associação de Ex-Alunos da GV.  A satisfação dos executivos atendidos foi bem maior do que esperávamos. Houveram inúmeros pedidos de continuidade do processo e portanto tivemos que coloca um limite importante para poder atender a todos:  o total de tempo atendido neste projeto é de 90 minutos.  No entanto, o principal resultado desta boa aceitação são os benefícios que desdobramos após o término:

  • São disponibilizadas ferramentas para busca de novas oportunidades, tais como informativos de mercado, vagas Executivas e oportunidades de Networking. Nada disto tem custo nenhum ao interessado que passar por este programa.
  • Construímos alguns projetos em parceria com a Associação de ex-Alunos da GV que dão continuidade ao processo. Alguns com até 6 meses de atendimentos semanais. São métodos avançados de Orientação Profissional, Personal Branding, e Executive Coach.  Cada um para atender necessidades específicas que podem ser avaliadas e customizadas com a necessidade de cada um.  A partir daí, na eventualidade de interesse, são colocados profissionais Seniores à disposição que fazem este trabalho de forma remunerada. A Associação Ex-GV certificou-se que os valores cobrados sejam significativamente acessíveis e diferenciados.

E agora?

Agora a única coisa que você realmente têm que fazer, é: avalie se você realmente está interessado em investir pessoalmente em uma transição de carreira, e envie seu currículo para a Jacqueline (Jacqueline@exgv.org.br), nos contando de seu interesse.

Pedro Carvalho

Partner – insight® Executive Search & Recruting

pedro@nsight.com.br